quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

"... who watches the wachtmen?..."


Eu gostaria de ter colocado o video promocional onde Zack Snider fala do filme e apresenta alguns atores do elenco. Só que não consegui puxar do MySpace devido a minha rudimentar instrução acerca dos recursos quase ilimitados que a informática pode proporcionar. Se você quiser assistir esse video, e eu recomendo, pode dirigir-se pra cá e assistir no Omelete, outro recanto paradisíaco da cultura pop construído e mantido por um punhado de Ozymandias como os muito admirados e já citados heróis infiltrados.

Certamente a antipatia do Mago de Northampton é válida, mas dos que conhecem Watchmen, muitos hão de concordar que de tudo o que foi visto até agora sobre esse filme, Snider está fazendo um trabalho muito bem feito.




video

terça-feira, 18 de novembro de 2008

"...a luz para o novo século..."




Este é o blog do DELÍRIO PULPZINE. Nós funcionamos como uma pulp, só que numa micro-escala.rsrsrs. Temos pseudônimos, histórias toscas, propagandas sem-vergonhas e algumas matérias. Bem, até onde eu sei não haviam matérias nas pulps, mas é por isso que o DELÍRIO é híbrido. Não vou me preocupar em explicar o que vem (ou o que veio) a ser uma pulp magazine, pois isso já foi feito no número UM do pulpzine que está rolando na praça. Ele custa R$ 0,50 e o primeiro número é especial com dezesseis páginas.


Suspense, terror, sci-fi, aventura e outros temas são abordados nas histórias, assim como acontecia nas pulps das décadas de 20 e 30 do século passado. Porém, essa ficção do absurdo funciona para nós com uma cara nossa. Geralmente ambientadas aqui mesmo na cidade do Forte, os contos trazidos beiram realmente o delírio. Causou estranhamento aos primeiros leitores, assim como alguma revolta. Muito compreensível, já que pouco se tem feito no estilo ultimamente e o público está muito acostumado com material estrangeiro, o que torna muito mais familiar e confortável imaginar uma conspiração alienígena acontecendo nos túneis dos metrôs de Nova York do que nos imcompletos e, por que não dizer, ultra-bizarros túneis do Metrofor.


Esta é uma época em que Hollywood não apresenta nada de original, usando os quadrinhos como story boards para os filmes, ou simplesmente adaptando-os (às vezes até de forma bem competente...mas nada original), plagiando-os e buscando em fontes semelhantes materiais para suprir a mente do espectador tão acostumado a pirotecnias que exige mais e mais enredos mastigados ao invés de algo realmente genuíno. Nesta época, o DELÍRIO não vem pra mostrar algo genuíno, pelo menos esse não é nosso objetivo principal. Ele é feito de fã para fã, mas com a VONTADE de chamar mais a atenção para novos caminhos na cultura pop, agora, com uma característica muito adequada à nossa era: as possibilidade quase ilimitadas de contato do leitor/telespectador/ouvinte/consumidor/sei lá o que com o criador da obra.
É claro que nome Delírio foi escolhido por causa da personagem da legendária hq de Neil Gailman, Sandman. E é claro também que em breve o autor e muitos de seus personagens e histórias serão assuntos das próximas matérias do zine que conta com a ajuda voluntária e involuntária de uma porrada de "heróis infiltrados" como o carlos alberto do blog Mundos Invisíveis de qual sou colaborador. Também da Fernanda Meireles, papa dos fanzines de Fortaleza, minha mestra perpétua(sacou?). Sem falar naqueles que são minha inspiração e que nem me conhecem, como o Eudes Honorato, do Rapadura Açucarada, um dos blogs mais anárquicos e úteis da história dos blogs. eudes, se um dia você me chegar a ler este post, saiba que você é o cara e o meu sonho é ver todos os números do DELIRIO scaneados no FARRA.
E assim a gente segue. Pela cultura pop, pelos quadrinhos e por tudo o que há de legal e que as nossas esposas se recusam a gostar e ficam brigando com a gente direto por causa disso.
...é ...isso é outra história.
******************************************
P.S.: E só pra não perder a viagem, o título do post é referência à "Do Inferno", de Alan Moore. A frase é retirada de uma das cartas do famigerado assassino de Whitechapel, carinhosamente conhecido como Jack, O Estripador, que aterrorizou esse distrito de Londres em 1888 matando quatro mulheres e sendo suspeito da mais assassinatos. sua história foi magistralmente contada por Moore com sua visão relacionada a ocultismo e englobando as teorias de conspiração acerca da história real, baseado numa extensa e incrivelmente interessante pesquisa que você acompanha no apêndice da obra, dividida em quatro volumes apaixonantes. e que eu baixei do blog do meu herói supracitado, eudes Honorato.
Avante, DELÍRIO!!!!