terça-feira, 13 de outubro de 2009

Times They Are A-changing





Lembro dos anos sessenta quando eu ouvia Buddy Holly desde quando acordava até a hora do almoço. Depois de comer, punha uma camiseta, meus óculos de armação grossa e caminhava um pouco debaixo do sol quente até a banca do Alfredo para trocar figurinhas de alienígenas com ele. Comprava alguns exemplares antigos de gibis do Superman e voltava pra casa. Me trancava no quarto, colocava um pouco de Elvis na vitrola e ia escrever histórias de ficção científica para passar o tempo. À medida que a tarde passava, saia Elvis, entravam Troggs, Beattles, Kinks, Animals. E eu amava Bob Dillan apesar de ser só um cara com um violão e uma voz anasalada, na época muito estranho pra caras como eu. Mas o fato dele falar coisas que eu realmente achava importante me dava a impressão de que pelo menos uma pessoa nesse mundo tava realmente afim de simplificar as coisas pra mim, ao invés do contrário.

De tarde eu tomava um banho, vestia uma calça de brim, uma camisa branca por dentro, meu cinto de fivela dourada, sapatos bem engraxados, colocava meu chapéu preto meio que de lado e ia à praça conversar com outros cavalheiros que, como eu, não viam problema nenhum em tomar uma cervejinha, conversar sobre rock´n´roll, filme de terror e atrizes gostosas como Brigitte Bardot. À noite, sempre tinha festa na casa de alguém. Havia uma loira de nome Glória. Nunca chegamos a ficar juntos, mas sei que ela tinha uma queda por mim, pois sempre estávamos a trocar olhares e ela sempre sorriu pra mim. A possibilidade de dançarmos era o que tornava aquelas noites mágicas. Um dia, consegui chamá-la para uma dança. Ela era daquelas menininhas de beleza inocente que sempre está acompanhada de suas amigas, com seu risinho tímido e meigo, de voz suave e um perfume natural e inebriante que me deixava sonhando por semanas. Eu era um garoto meio desbocado que as mães das meninas detestavam e com quem as proibiam
de falar, mas com quem elas não conseguiam deixar de falar. Daqueles que causam problemas de verdade e acham muito divertido ver o circo pegar fogo. Tudo isso fazia daquele um tempo muito bom. Me lembro de como sempre achava que estava vivendo na época certa, apesar de toda a porcaria pela qual o mundo estava passando. Uma guerra falsa que era uma ameaça verdadeira, os preconceitos e a repressão. De certa forma, até aquela tensão toda era boa. Era bom ser jovem e esperto o bastante para saber e ter consciência de tudo e mesmo assim não ligar pra nada a não ser música, cinema, mulher e confusão. Eu amei minha juventude. Só que há um problema: nada disso aconteceu. Eu não sou esse cara. Nem sei de onde ele saiu. Faz tempo que ele mora em mim, acho que ainda era garoto quando ele surgiu. Tenho uma saudade imensa desse tempo, a ponto de chorar algumas vezes, vendo as fotos de todas as pessoas com quem eu andava, lendo cartas delas, falando com uma ou outra ao telefone sobre aquelas aventuras...mas nada disso existiu. Sinto-me velho como esse cara seria hoje, mas eu não sou ele. Como posso explicar isso? Não há outro jeito senão imaginando que esse rapaz é um eu diferente de uma realidade paralela qualquer, gritando através da sangria cósmica que existem coisas legais para serem vividas, que eu não sou tão velho quanto o mundo e as circunstâncias me fazem acreditar que sou e que eu devia jogar algumas coisas para o alto antes de ser engolido por todo o tempo que não vivi. Quando paro pra pensar nos acontecimentos do mundo vejo que nossa época é bem parecida com aquela. Uma juventude desatenta e inconseqüente, uma ameaça nuclear assombrando os jornais e a esperança invisível de que do nada alguém muito especial apareça para mudar as coisas. Não sei o quão triste me sinto por quase não me lembrar de nada do meu próprio passado e sentir tanta falta da vida desse meu eu alternativo. Acredito que na história jamais houve um tempo em que não se estivesse em crise. A luta pela sobrevivência nos domina, ofusca nossa percepção e liquidifica nossas aspirações e sonhos, tudo é sempre uma névoa de preocupação e o esforço é imenso por construir um amanhã que não deixa de ser incerto. Quanto mais se pensa, menos se entende como a humanidade caminha. Mas as coisas estão mudando. Os tempos estão sempre mudando. O que não muda é o fato de que jamais saberemos no que tudo vai dar, por mais que queiramos ter o controle de tudo. E acho que os momentos do passado que nossos “eus alternativos” mais sentem saudades, nesses tempos obscuros de solidão e loucura, são daquelas noites lindas em que o espírito ficava leve ao som de músicas de amor e se podia muito bem flertar com a Glória. Sem culpa alguma, sem qualquer pudor.

5 comentários :

Carlos Alberto disse...

Acho que já é a terceira vez que leio este texto pensando em algo para colocar em um comentário, mas nada me chega para falar. E ao mesmo tempo me pergunto: “Falar pra quê? O texto já fala por si só”.

É verdade meu caro Edvaldo, teu texto fala por si só, comentar aqui é só para você saber que li teu texto.

É claro que enquanto lia sentia que você estava me descrevendo, e ao mesmo tempo eu senti que esse cara aí que você descreveu era real. Juro que por alguns segundos pensei, “Porra, eu não sabia que o Edvaldo era tão velho, que tinha vivido neste tempo aqui descrito.” Idiota não, pensar isso aí, te conheci você ainda estava no colégio. Mas o fato é que tua descrição é tão boa que o que escreveu parece realmente que existiu contigo, e eu pensei também: “Esse cara devia escrever um romance ou contos com essa temática aí”. Realmente tudo isso deve ter acontecido em algum universo paralelo, em alguma parte onde a sangria de abriu.

Passei um tempo sem internet e longe desse blog, neste período li alguns livros que lembrei de ti, como o “Fernão Capelo Gaivota” que você falou aí em baixo. E é claro lembrei de você quando li.

Continue meu velho Ed, continue mesmo, por que ler tuas letras é um momento de salvação para mim, onde me encontro em ti e sinto que você fazendo aí sua parte para seu mundo ser melhor e ao seu redor, está tornando meu mundo algo melhor.

Fábio disse...

atualiza ess negócio, boi!

dilidevo disse...

Eu como o seu amigo Carlos Alberto também pensei em colocar alguma coisa aqui e não me veio nada. Também pensei na possibilidade de não ser vc nesse relato fanasiamente verdadeiro. Também pensei em uma grande possibilidade de vc escrever um romance p eu ler! Mas quanto ao mundo paralelo...n dá p eu viajar dessa maneira, CSI demais na minha veia. Mas compreendo a vontade de ter uma outra vida, compreendo a ter a vontade de voltar as coisas primeiras quando elas ainda não eram ou apenas eram verbalmente e fluir p q n fossem. Disso eu entendo. além disso, nascer de novo, mas quão difícil é! requer coragem. Novo começo, novas emoções, novos lugares, pessoas e relacionamentos, renovo nos laços antigos e uma busca p uma forma mais livre de ser e agir: " aquele que não nascer da água e do espírito, não pode ver o reino de Deus" "o reino de deus não vem a olho visível, ele está em vós" "Eis que faço nova todas as coisas" - Jesus- o meu amado.
p vc querido amigo: leveza, paz, liberdade e verdade de Cristo. abraços

dilidevo disse...

O meu olhar é nítido como um girassol. Tenho o costume de andar pela estradas. Olhando para a direita e para a esquerda, e de vez em quando olhando para trás... E o que vejo a cada momento é aquilo que nunca antes eu tinha visto. E eu sei dar por isso muito bem... Sei ter o pasmo essencial que tem uma criança se, ao nascer, reparasse que nascera deveras...Sinto-me nacido a cada momento para a eterna novidade do mundo. F. Pessoa

dilidevo disse...

ed, hoje de madruga ou pela manha (25-03-10) eu sonhei que tava nesse tal universo paralelo. Apareci de repente numa rua com asfalto e uma casa de esquina. do lado da casa de esquina tinha 3 pessoas sentadas, uma dlas acho q n conheço (mistério!) as outras eram uma grande amiga e um ex dela. e eu na hora percebi que tinha voltado muito no tempo e que aquela cena já havia acontecido, mas eu fiz algo diferente. Eu entrei pela casa pela cozinha,quando da primeira eu entrei pela sala, ou o crontrário. não sei. mas eu falava p eles q já havia acontecido e tal, e não entendia como ou porque estav acontecendo.Daí lembrei é o tal de universo paralelo. q doido, mas foi legal!